The Hippopotamus - 2017 (filme)

Baseado no livro homônimo de Stephen Fry de 1993, o filme resgata o humor britânico, inteligente e refinado em alguns momentos e bem escrachado em outros. Uma comédia que se não traz gargalhadas escandalosas, nos diverte o tempo todo. Narrado em off em boa parte do tempo, pelo protagonista, o texto é maravilhoso, indo desde a poesia até diálogos em que em todas as frases há um “fuck”. Um filme de extremos mesmo. O argumento foi construído de forma que estamos totalmente alinhados com o protagonista, que parte numa viagem sem saber direito o que precisa descobrir. E assim estamos nós, sem saber o que esperar da busca pela fonte de milagres na casa de campo da família.

Ted Wallace (Roger Allam) é um poeta que há anos perdeu sua criatividade e trabalha como crítico em jornais. Porém, devido a seu “apurado” gosto e enorme ego, acaba perdendo o emprego. É aí então que Jane (Emily Berrington), sua sobrinha surge pedindo ajuda. Curada de uma leucemia após ter passado uma temporada na casa de campo de seus tios em Swafford Hall, ela oferece uma boa grana para Ted ir visitar a casa e descobrir a origem do milagre que a curou. Ted então vai para o interior, mesmo sem manter contato há anos com seu compadre Michael Logan (Mattew Modine). Chegando lá, quem adora sua visita é seu afilhado David (Tommy Knight), um adolescente que sonha ser poeta e que tem hábitos bem estranhos. A esposa de Michael, Anne (Fiona Shaw) e o outro filho do casal, Simon (Dean Ridge) também o recebem. No fim de semana, a família recebe a visita de Oliver Mills (Tim McInnerny), um produtor de teatro e também de Valerie (Lyne Renee) e Clara (Emma Curtis), todos atrás dos milagres que têm acontecido na casa. Entre uma dose de whiskey e outra, Ted arruma conflitos com quase todos, devido a seu temperamento, mas parece bem longe de descobrir a causa dos tais milagres, nos quais ele não põe fé alguma.

Ao mesmo tempo leve e intrigante, com personagens bem definidos e interpretações na medida, o filme foge do lugar comum das comédias. Confesso que em alguns momentos me peguei precisando voltar um pouco o filme pra entender uma ou outra frase mais rebuscada, pois o sotaque britânico e o vocabulário que foge do básico aprendido em cursinhos me pegaram. Quem manda querer assistir sem legendas em português, hehe.

Uma ótima diversão para o fim de semana, acompanhado de pipoca, brigadeiro ou sorvete. Minha classificação foi 8 no IMDB.